ENTRAR
NO AR:
PRÓXIMA ATRAÇÃO:

Parado
Volume

RECEITAS




Paçoca de carne seca

Farofas/Receitas do Programa do Rony



Uma paçoca, com muito amor

A chef Ieda Mattos, do restaurante Casa de Ieda (Rua Ferreira Araujo,841, São Paulo), gosta de   oferecer suas receitas para os ouvintes do Programa Rony Magrini. Desta vez ela enviou a de Paçoca de Carne Seca, que segue abaixo. Foi uma boa escolha, até patriótica, podemos dizer,     porque talvez não exista um prato tão tipicamente brasileiro  e mais antigo do que a paçoca. Ganha inclusive da feijoada, pois é uma receita que vem dos índios, muito antes de Cabral nos descobrir, no ano de 1500. É claro que eles não usavam carne seca porque ainda não tínhamos boi por aqui, trazidos posteriormente pelos portugueses. Mas faziam com carne de anta, paca, veado ou até de macacos, animais que estavam ao alcance de suas flechas ou das armadilhas de cipó com as quais caçavam. Também não tinham cebola e nem alho, que eram substituídos por temperos da terra. O princípio era o mesmo: socar a carne com farinha de mandioca, que faziam muito bem, no pilão. Convém esclarecer que os índios, ao contrário do que se imagina, tinham sua arte de cozinhar. O famoso sertanista Orlando Vilas-Boas, que passou boa parte de sua vida com índios no Brasil Central, dizia de boca cheia que seu prato preferido era uma torta cuja crosta de beiju vinha recheada com paçoca de amendoim e pedacinhos de carne de caça ou de peixe.

Na verdade, maior atestado de que a paçoca é uma preferência nacional pode ser confirmado pelo nosso calendário de festas populares regionais nas quais é muito celebrada. Os exemplos são muitos. A festa da paçoca de Boa Vista, capital do Estado de Roraima, detém o recorde de apresentar a maior paçoca do mundo: 775 quilos, que levaram 500 de carne. A cidade de Bonito de Minas, no norte do estado, realiza anualmente seu prestigiado Festival Nacional da Paçoca; idem para Pilar do Sul, em São Paulo. Em Cruzeiro, cidade do Vale do Paraíba (SP) a câmara municipal aprovou lei que lá institui o Dia da Paçoca. Caruaru, em Pernambuco promove, também todo ano, a Festa da Paçoca Grande. E assim vai, pelo Brasil afora.  

Bom apetite a todos, lembrando sempre que uma refeição, além do prazer de comer, é uma comunhão da família para reforçar o afeto entre seus membros e a alegria de estarem juntos.



Foto: Reutilização Google


Ingredientes.
1 kg de carne seca
500 g de farinha de mandioca
1 cebola grande picada
2 dentes de alho amassados
 
Preparo
1) Lave a carne seca em água corrente. Coloque-a numa panela com água e leve-a ao fogo até ferver por mais ou menos 20 minutos.
2) Após escorrer a água, lave novamente a carne seca em água corrente. Dê um choque térmico, colocando-a para resfriar numa vasilha com água e gelo. Deixe descansar por 20 minutos.
3) Esquente uma panela, coloque um fio de óleo. Acrescente a cebola e o alho, mexa até dourar.
4) Acrescente a carne seca em pequenos cubos e deixe fritar.
5) Retire todos os ingredientes da panela com uma escumadeira para o óleo escorrer.
6) Coloque tudo num pilão e vá socando, acrescentando a farinha de mandioca pouco a pouco, até que a carne se incorpore na farinha, resultando numa farofa úmida, própria de paçoca.

Pronto!! Agora é só se deliciar #humm  



Envie a sua receita para a Rádio Capital


Tags: 


Mais Receitas


® 2018 Rádio Novo Mundo Ltda - Todos os direitos reservados