CadastroENTRAR
NO AR:
PRÓXIMA ATRAÇÃO:

Parado
Volume
Áudios
App Android
App IOS
Facebook Capital
Instagram Capital
YouTube Capital
Whatsapp Capital

NOTÍCIAS - Cidade

Terça-feira, 22/05/2018 14:52
Por Ana Paula Novaes

Defensoria ajuíza ação civil pública pedindo atendimento emergencial às vítimas do prédio que desabou em SP

Prefeitura de São Paulo divulgou nota, informando que já realiza o pagamento de auxílio-aluguel para 149 famílias cadastradas.




Parte dos moradores do prédio continua acampada no Largo do Paissandú
Foto: Cid Barboza/Rádio Capital





A Defensoria Pública de São Paulo e a Defensoria Pública da União ingressaram na tarde desta segunda-feira (21) com uma ação civil pública que solicita a disponibilização de atendimento emergencial às famílias que viviam no Edifício Wilton Paes de Almeida. O prédio desabou após incêndio ocorrido na madrugada do dia 1º de maio.

A ação pede, liminarmente, que seja fornecido um imóvel adequado para abrigar todas as famílias. No pedido, são sugeridos três edifícios – imóveis vazios, próximos ao incidente e próprios para uso habitacional. Além disso, é pedido o pagamento de auxílio moradia por prazo indeterminado.

Além disso, a ação solicita, que, até o fornecimento do atendimento habitacional, seja oferecida estrutura digna para abrigar as vítimas que estão instaladas no Largo Paissandu, como tenda para proteção, local para armazenamento de doações recebidas e segurança dos ocupantes, local para a realização de alimentação e higiene pessoal, com disponibilização de banheiros químicos.

A Prefeitura de São Paulo informou por nota que, após o término do período de 12 meses do auxílio moradia dado pela CDHU, dará continuidade ao pagamento do benefício até que haja atendimento definitivo às famílias desabrigadas pelo incêndio.

O texto informa ainda que o pagamento do aluguel social já começou e que, até o momento, 149 famílias que moravam no edifício foram cadastradas para receber o auxílio-moradia pela CDHU, pelo período de 12 meses: R$ 1.200 no primeiro mês e de R$ 400 a partir do segundo. Depois deste período, a Prefeitura assumirá o pagamento mensal no mesmo valor de R$ 400.  As famílias que ainda não estão recebendo devem requerer o benefício na Central de Habitação, na Av. São João, 299.






Tags: 


Veja mais

Facebook Instagram YouTube Whatsapp App Android App IOS
® 2020 Rádio Novo Mundo Ltda - Todos os direitos reservados